14 de mar de 2013

O Lado Bom da Vida - Matthew Quick

Editora: Intrínseca
Páginas: 256
Resenhado por: Ana Paula da Cruz

Pat Peoples, um ex-professor na casa dos 30 anos, acaba de sair de uma instituição psiquiátrica. Convencido de que passou apenas alguns meses naquele “lugar ruim”, Pat não se lembra do que o fez ir para lá. O que sabe é que Nikki, sua esposa, quis que ficassem um "tempo separados". Tentando recompor o quebra-cabeças de sua memória, agora repleta de lapsos, ele ainda precisa enfrentar uma realidade que não parece muito promissora. Com seu pai se recusando a falar com ele, a esposa negando-se a aceitar revê-lo e os amigos evitando comentar o que aconteceu antes da internação, Pat, agora viciado em exercícios físicos, está determinado a reorganizar as coisas e reconquistar sua mulher, porque acredita em finais felizes e no lado bom da vida. Uma história comovente de um homem que não desiste da felicidade, do amor e de ter esperança.


A vida é mesmo coisa passageira, então porque não viver apenas o lado bom dela?

Pat Peoples resolveu fazer exatamente isso. Depois de  ter sofrido um baque terrível com a separação de Nikki, mulher que amava e, por conta disso, ter passado um tempo no “lugar ruim”, uma instituição psiquiátrica, Pat volta para casa determinado a praticar o “ser gentil em vez de ter razão” (filosofia que adota para estar mais amável quando Nikki voltar), continuar emagrecendo (já que ele tem certeza que o fato de ter engordado 25kg foi um dos motivos que fizeram Nikki o deixar) e querendo, de uma vez por todas, dar fim no tempo separados.

Tudo parece perfeito no filme da vida que Pat montou em sua cabeça, já que ele só acredita  em finais felizes, mas às vezes o que a gente acha que seria o ideal para a nossa vida é exatamente o oposto, e o destino faz com que as coisas certas tomem seu lugar!

E é assim que Pat conhece Tiffany. Cunhada de seu melhor amigo, também com histórico de abalo psicológico, já que seu marido Tommy morreu,  Tiffany é explosiva , fala o que pensa e não se importa com a opinião alheia. Surge aí uma grande amizade, de início forçada por Tiffany, já que Pat não queria se unir a ela, e regada a muitos jantares silenciosos e corridas tão silenciosas quanto os jantares, mas que vai ficando cada vez mais solidificada... justamente pelo silêncio que leva a uma compreensão mútua.

E não é engraçado como o destino é irônico? Essa aproximação era exatamente o que ambos estavam precisando em suas vidas destroçadas por dois tipos diferentes de perda, mas que doíam do mesmo jeito e de um jeito tão intenso... Tanto em um quanto em outro.

Confesso que se escrever mais sou capaz de dar spoiler, mas é um livro que vale muito a pena ler. A história é diferente, tratando de distúrbios psicológicos e de perdas pesadas. A escrita é maravilhosa, leve e que flui naturalmente, não tem como cansar, é como ler um diário de uma pessoa muito engraçada mas que sofre muito. Os diálogos são muito inteligentes e em cada frase que eu lia me parecia mais uma lição para aprender a observar mais a vida e as coisas boas que o destino nos traz, e não ficar lamentando o que ficou em outro tempo.

- Porque esse romance ensina os jovens a serem pessimistas. Nenhuma esperança no fim, nenhum final feliz. Os adolescentes devem aprender que...
- A vida é dura, Pat. E os jovens têm de saber quão difícil ela pode ser.
- Por quê?
- Para que sejam solidários. Para que compreendam que algumas pessoas têm mais dificuldades do que eles e que uma passagem por este mundo pode ser uma experiência totalmente diferente, dependendo de quais substâncias químicas estão ativas na mente de um indivíduo. Pág. 116

7 comentários:

  1. Olá !
    Acabei de adquirir esse livro, ainda não comecei a ler, mas pretendo em breve lê-lo.
    Parece ser uma história muito sensível e tratando de um tema bastante complexo, acho que uma história que conte e trate de coisas, sentimentos humanos é sempre muito interessante porque em algum ponto nos identificamos porque todos nós passamos por problemas menores ou maiores.
    Abraços
    Melissa
    decoisasporai.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  2. Oi quase xará, rs.
    Eu sinceramente gostei mais do final, quando a história finalmente se desenrolou. Eu entendi a mensagem e é realmente muito bonita. Não sei, achei que as melhores partes aconteceram com a Tiffany =)

    Beijos
    http://nerdicesdeumagarota.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  3. Ana Paula, mais uma vez consigo enxergar um livro pelos teus olhos. Adoro ver tua estante e a empolgação como descreves cada um dos teus livros.
    Parabéns pelas tuas conquistas.

    Muitos beijos

    Mamãe!

    ResponderExcluir
  4. Eu ainda não li o livro, mas acabei assistindo ao filme antes.
    Não aguentei de curiosidade! Haha
    O filme é ótimo!
    Espero ler logo o livro.

    BjO
    http://the-sook.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  5. Também adorei o Pat e o seu modo de enxergar a vida.
    O fato dele agradecer e dar valor as pequenas coisas, mesmo que a vida dele esteja de pernas para o ar. A leitura flui maravilhosamente bem. Adorei esse jeito engraçado e único dele. Os diálogos são ótimos mesmo!
    Beijos!

    ResponderExcluir
  6. Li o livro essa semana e me apaixonei, eu acho que todos devemos crer e almejar um final feliz, claro que nem sempre é o que acontece, mas... não custa acreditar. Nesse livro eu ri e me emocionei. Amei

    ResponderExcluir
  7. Eu adorei o livro! E eu adorei o Pat também!

    ResponderExcluir

• Escreva um comentário e deixe uma blogueira muito feliz!

 
Minima Color Base por Layous Ceu Azul editado por Anderson Vidal