5 de ago de 2013

Correr ou Morrer - James Dashner

Editora: V&R
Páginas: 426
Resenhado por: Victor Lopes

Ao acordar dentro de um escuro elevador em movimento, a única coisa que Thomas consegue lembrar é de seu nome. Sua memória está completamente apagada. Mas ele não está sozinho. Quando a caixa metálica chega a seu destino e as portas se abrem, Thomas se vê rodeado por garotos que o acolhem e o apresentam à Clareira, um espaço aberto cercado por muros gigantescos. Assim como Thomas, nenhum deles sabe como foi parar ali, nem por quê. Sabem apenas que todas as manhãs as portas de pedra do Labirinto que os cerca se abrem, e, à noite, se fecham. E que a cada trinta dias um novo garoto é entregue pelo elevador. Porém, um fato altera de forma radical a rotina do lugar - chega uma garota, a primeira enviada à Clareira. E mais surpreendente ainda é a mensagem que ela traz consigo. Thomas será mais importante do que imagina, mas para isso terá de descobrir os sombrios segredos guardados em sua mente e correr.


Sem dúvida alguma, para nós leitores compulsivos, não há nada melhor do que ser surpreendido por um livro. Melhor ainda quando se tem uma expectativa alta em relação a ele e essa expectativa é superada. Esse foi meu caso com a série “Maze Runner”, demorei muito para comprar (por conta do preço) e quando consegui tê-lo em mãos me senti a pessoa mais feliz do mundo! Mal sabia eu que o vicio na série seria tão grande que nem ligaria para o preço dos livros seguintes da trilogia.

A história de “Correr ou Morrer” começa quando Thomas acorda em uma caixa escura de metal que se movimenta como se fosse um elevador e, de repente, ela se abre e então ele se vê em um local cheio de garotos que lhe dizem apenas “Bem vindo à Clareira, fedelho” e não explicam mais nada para o novato. Ele acaba por descobrir que o lugar em que se encontra é chamado de “Clareira” e é cercado por enormes muros, tendo apenas 4 saídas,  todas elas levando a um enorme labirinto povoado de seres horríveis e mortais e aparentemente sem saída. A partir daí as coisas mudam, principalmente com a chegada de Teresa na mesma caixa que Thomas surgiu, sendo ela a única, e inesperada, garota a aparecer no lugar, fazendo com que tudo vire de ponta cabeça e muitas perguntas surjam.

Um enredo original e com grandes reviravoltas que te faz ler ininterruptamente. Isso é “Maze Runner". É complicado falar muito sobre ele, não só porque poderia revelar spoilers, mas principalmente porque a história é simplesmente indescritível, poucas vezes li algo tão cativante e que me prendesse dessa maneira, me fazendo ler por horas e querer sempre mais.

A narrativa do autor James Dashner é sensacional, pois mesmo sendo em terceira pessoa você se vê dentro da mente de Thomas, tentando junto com ele descobrir tudo o que acontece na história e quais são os grandes segredos que envolvem os garotos e o local no qual eles estão presos. Outro ponto alto é o humor que, mesmo em um enredo que pode ser considerado não tão leve, se encaixa perfeitamente todas as vezes em que é usado.

Os personagens são outro atrativo, cada um com suas características, que juntas se completam e formam um grupo que, para mim, pode ser considerado um dos melhores de todas as histórias que eu já li. Somando a isso a qualidade de James Dashner, fica fácil de se apegar a cada um deles e se ver dentro da história, além do que, para os meninos que lerem, há uma enorme identificação com todos e, para as meninas, não deve ser difícil de encontrar alguém que faça seu tipo entre eles.

Infelizmente “Maze Runner” é uma série não muito difundida, mas com certeza se tivesse um preço mais acessível e maior divulgação, seria mais um enorme sucesso de crítica e público, pois é simplesmente sensacional. Uma boa noticia é que está em produção um filme baseado em “Correr ou Morrer”, com estreia prevista para fevereiro de 2014 (CHEGA LOGO!!!) e que conta com um elenco tão bom quanto a história, com Kaya Scodelario (Skins) interpretando Teresa e Dylan O’brien (Teen Wolf) no papel de Thomas, entre outros nomes de peso.

Só nos resta esperar que com o filme os livros possam ficar mais conhecidos, pois algo tão bom não pode permanecer tão escondido. E se você ficou curioso em relação a este livro incrível e decidiu lê-lo então só posso dizer uma coisa: “Bem vindo à Clareira, fedelho(a)”.

"-Sem interrupções, garoto – bradou. – Seu mocorongo, se eu lhe contasse tudo, você morreria de medo, bem depois de se plogar nas calças. Os Embaladores o levariam e você não serviria mais de nada para gente!" Pág. 11

2 comentários:

  1. Oi Andresa :)

    Eu tenho uma relação difícil com essa série especificamente com este livro, eu ia comprar ele ontem mais deu a maior confusão e não levei parte pelo preço 49,90 e parte pela atendente hahaha enfim.. sobre sua resenha, como sempre ficou muito boa parabéns, eu estou morrendo de vontade de ler a série e com certeza desse ano não passa, beijos !!

    http://euvivolendo.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  2. Eu conheci esse livro de uma maneira nada legal! Fiquei sabendo dele, porque a estréia do filme está marcada para o mesmo dia da estréia do filme de VA (Vampire Academy), que é a minha série preferida! Tipo, loucona mesmo...por essa série. rsrs Então,não foi um começo legal! kkk
    Mas eu tenho vontade de ler, está na minha lista! Quero ler antes do filme estrear! =)
    Beijos!

    Karen Costa
    http://viajandonaestante.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir

• Escreva um comentário e deixe uma blogueira muito feliz!

 
Minima Color Base por Layous Ceu Azul editado por Anderson Vidal