27 de dez de 2012

O Nome do Vento - Patrick Rothfuss


Editora: Sextante
Página: 656
Resenhado por: Victor Lopes

Ninguém sabe ao certo quem é o herói ou o vilão desse fascinante universo criado por Patrick Rothfuss. Na realidade, essas duas figuras se concentram em Kote, um homem enigmático que se esconde sob a identidade de proprietário da hospedaria Marco do Percurso. Da infância numa trupe de artistas itinerantes, passando pelos anos vividos numa cidade hostil e pelo esforço para ingressar na escola de magia, O nome do vento acompanha a trajetória de Kote e as duas forças que movem sua vida: o desejo de aprender o mistério por trás da arte de nomear as coisas e a necessidade de reunir informações sobre o Chandriano - os lendários demônios que assassinaram sua família no passado.Quando esses seres do mal reaparecem na cidade, um cronista suspeita de que o misterioso Kote seja o personagem principal de diversas histórias que rondam a região e decide aproximar-se dele para descobrir a verdade.


Quem está acostumado a fazer resenhas de livros sabe que existem diversos níveis de dificuldade para escrever, tudo dependendo do livro que você está falando. Algumas resenhas são bem fáceis, boas de se fazer, outras nem tanto, são mais difíceis e você acaba apagando e escrevendo de novo umas mil vezes. E existe a resenha nível “O Nome do Vento”, que é a mais difícil de ser feita, pois cada uma das palavras deve ser muito bem escolhida antes de ser digitada, de modo que não faça o livro parecer menos incrível do que ele é.

Um livro cheio de detalhes, situado em um universo fantástico repleto de histórias, lendas e canções. Esse é o mundo em que conhecemos Kvothe, o personagem principal das Crônicas do Matador do Rei. Em “O Nome do Vento”, primeiro livro da série, encontramos Kvothe como o dono da hospedaria Marco do Percurso, um homem simples, sem muito o que falar e reservado somente às suas funções como hospedeiro. Mas logo percebemos que ele é muito mais do que aparenta e, quando um cronista chega na pousada em meio a eventos misteriosos, Kvothe passa a contar sua história para que o homem a escreva e é aí que voltamos ao passado e começamos a entender quem é esse misterioso hospedeiro.

A obra mostra o incomparavelmente inteligente Kvothe desde a sua infância, até o inicio da juventude, passando por todas as fases de sua vida até então. As dificuldades enfrentadas pelo personagem são o ponto principal do enredo, fazendo com que os pensamentos do leitor sobre os fatos se transformem a cada página e deixando-o sempre querendo mais a cada capítulo.

O mais incrível é que Patrick Rothfuss criou um livro de fantasia que não cai nos clichês a que estamos acostumados, é uma história tão original e tão complexa dentro de seu próprio universo que fica extremamente complicado falar sobre ela sem spoilers ou se lembrando de tudo o que acontece durante as mais de 600 paginas. A verdade é que a criatividade do autor voou longe a alcançou um nível nunca antes alcançado, se comparando aos grandes mestres da literatura fantástica.

Outro ponto que chama a atenção é que o livro não é propriamente um livro de ação, claro que existe ação, mas estes momentos são poucos, pois em sua maioria, lemos algo em que a preocupação é incluir o leitor no universo criado e entender a vida de Kvothe, que, afinal, é uma vida quase comum mesmo em meio à magia, demônios e outros seres. E ainda que o ritmo seja mais lento, em nenhum momento a história fica chata, você lê, continua lendo e não se cansa, sempre lendo mais uma página e depois mais outra.

Para não dizer que o livro é só elogios, devo dizer que no começo tudo é um pouco confuso, não há uma explicação exata sobre onde a história se passa, nem sobre as lendas ou os personagens. Tudo é contado como se você já conhecesse parte do enredo. Mas isso, afinal, não prejudica em nada o andamento da história, que vai dando melhores explicações mais para a frente e te fazendo entender tudo sobre os lugares em que Kvothe passa.

Portanto, “O Nome do Vento” é uma história para os amantes da fantasia, para aqueles que querem algo novo e diferente e, principalmente, para quem não liga em não ver o fim da história no fim do livro, pois só saberemos tudo sobre Kvothe, esse personagem que se tornou um dos meus favoritos de todos os livros que já li, nos próximos livros, que são “O Temor do Sábio”, já lançado no Brasil e “The Doors of Stone”, ainda sem data de lançamento definida em nenhum lugar do mundo.

Leia “O Nome do Vento” e entre neste mundo fantástico e cheio de mistérios, histórias, canções, amores e inimigos. Você não vai se arrepender.

“Lembre-se disso, meu filho, se vier a esquecer de todo o resto: poeta é um músico que não sabe cantar. As palavras têm que chegar à mente do homem para poderem tocar seu coração, e a mente de alguns homens é um alvo tristemente pequeno. A música toca diretamente o coração, por menor ou mais teimosa que seja a cabeça do homem que escuta.” 

Um comentário:

  1. Apesar de não gostar de fantasias, fiquei interessada neste livro!!!

    ResponderExcluir

• Escreva um comentário e deixe uma blogueira muito feliz!

 
Minima Color Base por Layous Ceu Azul editado por Anderson Vidal