25 de fev de 2013

Dragões de Éter - Raphael Draccon

Editora: Leya
Páginas: 440
Resenhado por: Victor Lopes

Nova Ether é um mundo protegido por poderosos avatares em forma de fadas-amazonas. Um dia, porém, cansadas das falhas dos seres racionais, algumas delas se voltam contra as antigas raças. E assim nasce a Era Antiga. Essa influência e esse temor sobre a humanidade só têm fim quando Primo Branford, o filho de um moleiro, reúne o que são hoje os heróis mais conhecidos do mundo e lidera a histórica e violenta Caçada de Bruxas. Primo Branford é hoje o Rei de Arzallum, e por 20 anos saboreia, satisfeito, a Paz. Nos últimos anos, entretanto, coisas estranhas começam a acontecer... Uma menina vê a própria avó ser devorada por um lobo marcado com magia negra. O navio do mercenário mais sanguinário do mundo, o mesmo que acreditavam já estar morto e esquecido, retorna dos mares com um obscuro e ainda pior sucessor. E duas sociedades criminosas entram em guerra, dando início a uma intriga que irá mexer em profundos e tristes mistérios da família real. E mudará o mundo.


Quem nunca ouvir falar da Chapeuzinho Vermelho e do Lobo Mau? Ou de João e Maria e a Bruxa, na casa de doces? E do Capitão Gancho e sua incomparável maldade? Pois são exatamente essas histórias que são recontadas em Dragões de Éter, onde o autor Raphael Draccon conseguiu fazer com que elas se tornassem contos de fadas ainda maiores e muito mais profundos.

Quando lemos a sinopse deste livro, acabamos pensando se tratar de um plágio ou mais uma destas adaptações modernas de histórias clássicas, porém não é isso que encontramos em Dragões de Éter, onde tais contos de fadas ganham mais detalhes e uma nova roupagem, além de explicações para certos pontos e dúvidas que podem surgir em relação a alguns fatos não bem explicados quando os lemos anteriormente, mas o enredo não se resume a isso, pois há uma enorme mitologia por trás de tudo e mostra acontecimentos que culminam em uma batalha no Reino de Arzallum e até onde estes fatos mexem com a vida dos personagens.

E por falar em personagens, todos tem personalidade forte, características marcantes e crescem, mudam em todo o livro. É incrível como suas historias são contadas e como o leitor consegue se aproximar deles, o que provavelmente acontece pela maneira com que os diálogos são escritos e as atitudes tão comuns do ser humano, bem como o linguajar comumente usado por nós em nosso dia a dia e que, ainda que possa soar estranho em alguns momentos, acaba combinando perfeitamente com uma história de fantasia.

Méritos de Raphael Draccon, para mim o melhor autor nacional, que escreve de uma maneira tão mágica e profunda, uma narrativa cativante que te leva pela historia te fazendo rir, ficar triste e nervoso com tantos desdobramentos e segredos revelados. Sem dúvida Draccon não deixa nem um pouco a desejar em relação a grandes autores de fantasia internacionais, como George Martin e Tolkien, tendo um estilo tão fantástico quanto Patrick Rothfuss. E não, isso não é exagero.

Gostaria muito de ter lido Caçadores de Bruxas há mais tempo, mas fico feliz por ainda ter mais dois livros da série pela frente (Sem contar o quarto livro que será lançado em breve, porém ainda sem data definida). E deixo a dica para que você que está lendo esta resenha deixe de lado seus preconceitos e pegue um livro de um autor nacional para ler, melhor ainda, pegue Dragões de Éter para ler e viaje neste mundo de fantasia criado por um gênio brasileiro e que nos faz acreditar em sonhos e que tudo pode acontecer quando cremos em algo. 

“Foi a época em que caíram fadas. Em que nasceram bruxas. Em que destronaram Reis. Dragões geraram-se do éter e príncipes se tornaram sapos. Uma época em que semideuses andaram na terra dos homens e abençoaram pessoalmente os heróis de muitos contos. Então as bruxas desafiaram as fadas. E os homens desafiaram as bruxas. Foi assim que nasceram as caçadas. E foi assim que nasceram os caçadores.” - Dragões de Éter

3 comentários:

  1. Eu podia jurar que este livro seria como Guerra dos Tronos, com castelos, reis, guerras e dragões, porém ao ler a resenha percebo que é bem diferente do que imaginei mas igualmente incrível! Adorei a resenha!

    Abraços, Anderson Vidal
    Hooked for Books

    ResponderExcluir
  2. Noooooooossa não tinha a menor idéia que essa era o contexto desse livro, já o vi sendo vendido mas não li a sinopse, parece muito legal, já tinha vontade de compra-lo, por essas capas lindas ! Mas agora realmente gostei da história!
    abraços
    Melissa
    http://decoisasporai.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  3. Amei esta série...tô morrrendo de ansiedade na espera do próximo livro...

    Só li a série em janeiro apesar de já ter o livros há algum tempo e até hoje não entendi por quê demorei tanto pra ler...os livros são simplesmente perfeitos...

    ResponderExcluir

• Escreva um comentário e deixe uma blogueira muito feliz!

 
Minima Color Base por Layous Ceu Azul editado por Anderson Vidal