22 de jun de 2012

InBookshelf Entrevista... PAULA PIMENTA

-

Você já vendeu mais de 100 mil exemplares da série FMF. Qual é a sensação de ver o seu trabalho sendo tão bem aceito pelos leitores?

É muito emocionante pensar que algo que eu escrevi atinge tanta gente. O que me comove mais é quando leitores me dizem que eu mudei a vida deles, que foi com os meus livros que descobriram o prazer pela leitura! Já recebi agradecimentos inclusive de pais e professores por isso, o que me deixa extremamente feliz!

Você é formada em Publicidade e Propaganda, certo? Quando percebeu que sua verdadeira vocação era escrever?

Eu fiz vestibular pra Jornalismo, exatamente porque eu queria profissionalizar o amor pela escrita que eu tinha desde criança. Mas no decorrer do curso, percebi que o estilo jornalístico não era bem o que eu queria, eu gostava de inventar, de criar histórias... Então transferi pra Publicidade, para poder exercer bastante a criatividade. Minha carreira de escritora começou em 2001, quando lancei um livro de poemas chamado “Confissão”. Na mesma época, fui convidada para ser colunista do site “Crônica do Dia”, onde escrevi por vários anos. Em 2008 lancei “Fazendo meu filme 1” pela editora Gutenberg e foi então que eu percebi que o que eu gosto mesmo é de escrever romances.

Pretende lançar livros do gênero mais adulto ou seu alvo é o publico juvenil?

Gostaria de escrever também livros mais adultos. Mas como já estou com um público juvenil formado, prefiro continuar nesse segmento por mais um tempo, pois tenho ideias para vários outros livros juvenis... só me falta tempo para colocá-las no papel!

De onde surgiu a ideia de escrever FMF?

Foi meio por acaso. Em outubro de 2004, exatamente na noite do início de ‘horário de verão’, eu estava no computador e de repente tive a ideia de começar um livro falando exatamente sobre isso: Duas amigas que saíam, mas que tinham que voltar no horário imposto pelo pai de uma delas. Com o adiantar do relógio (devido o início do horário de verão), elas acabavam perdendo uma hora (mais tarde essa passagem acabou virando o segundo capítulo do livro). Quando comecei a escrever, eu não sabia o que viria, só mais tarde é que pensei no tema principal do livro, que é uma adolescente que vê sua vida mudar quando surge a oportunidade de fazer intercâmbio cultural. No processo de preparação para a viagem, ela se apaixona e fica indecisa entre ir para o outro país, ou ficar no Brasil com seu grande amor.

As suas fãs demonstram claramente a admiração que sentem por você, como podemos ver no facebook, nos eventos, etc. Você ficou assustada com esse tipo de afeto no início?

Foi uma coisa meio gradual, o público foi sendo formado, então tive tempo para me acostumar. Os adolescentes são muito espontâneos, gostam de demonstrar afeto e isso é muito bom, pois eles são autênticos! Se gostam de algo, demonstram e, se não gostam, dizem também. Então dá pra ter uma boa noção do que os agrada ou não.


Você acredita que livros que fizeram sucesso e que são voltados ao público jovem como Harry Potter, Crepúsculo e agora também Fazendo meu Filme, estimulam a leitura daqueles adolescentes que antes tinham preguiça de ler?

Claro! E eu acho que isso é o mais importante, esse incentivo à leitura nas crianças e jovens. Depois de adulto, dificilmente a pessoa cria o hábito de ler. Isso tem que ser adquirido antes, por isso é muito importante incentivar a leitura seja qual for o gênero literário. Depois de adultos e com o gosto pela leitura já adquirido, a pessoa vai buscar livros mais profundos e do seu interesse.

FMF 4 é o último livro que narra a trajetória da Fani. Como foi se despedir de personagens que cativaram tantas pessoas?

Não foi fácil. Mas acho que sofri mais antes de escrever o livro do que quando realmente o terminei. Eu não queria nem começar a escrever, pois sabia que ali terminaria tudo. Mas depois que comecei, fiquei ansiosa para dar o melhor final possível para a Fani e os outros personagens. E acho que consegui!

Você fez uma viagem para Los Angeles para conseguir detalhar melhor o livro, certo? Qual lugar por lá mais chamou sua atenção e te inspirou mais?

A Warner Bros foi bastante inspiradora. Fiz um tour de três horas pelos estúdios da Warner e lá tive a chance de ver os locais onde foram filmados tantos filmes e seriados que eu amo, acompanhei gravações, entendi mais sobre a parte técnica... Muito da inspiração do livro eu tirei de lá. Mas Los Angeles inteira foi muito inspiradora, essa viagem foi imprescindível para o resultado final do livro.

Você escreveu quando esteve lá ou apenas trouxe as ideias para o Brasil?

Eu fiz muitas anotações, mas eu só comecei a escrever na volta, pois durante o tempo que fiquei lá quis aproveitar cada minuto para conhecer o máximo possível de lugares.

Em média quantas pessoas foram aos eventos de lançamentos de FMF 4?

Cerca de 300 a 400 pessoas. Mas no lançamento em São Paulo tinha mais de 500.

Que dica você daria para os outros escritores, ou as pessoas que gostariam se tornar escritoras aqui no Brasil? Pois sabemos que o mercado editorial para brasileiros é bem complicado.

Em primeiro lugar, acho que é importante ler muito. Geralmente, quem gosta de ler e tem esse hábito, escreve bem. Devemos também escrever sobre o que gostamos, pois quando escrevemos com paixão, os leitores sentem isso. Escrever sobre o que realmente conhecemos é importante também. Ao escolher um tema, certifique-se que você domina o assunto, para não se perder no meio da história. Depois que o livro estiver pronto, é preciso muita paciência e força de vontade pra procurar uma editora. Acho que esses são os passos fundamentais para quem quer escrever e publicar um livro.



-

4 comentários:

  1. Aí a Paula Pimenta te deixa mais doida ainda para ler seus livros e arrumar as malas e ir para LA *-* #meusonho
    E essa minha amiga anda muito metida entrevistando a Paula heim? haha :*

    ResponderExcluir
  2. Amei a entrevista desa, parabéns *-*
    Já ouvi falar muito bem da série e da autora, principalmente aqui rsrs.
    Beijos! Gengiscan Pereira.
    www.booksformenow.com

    ResponderExcluir
  3. Nossa que bacana, a entrevista ficou realmente ótima. Adorei saber de onde surgiu a ideia de escrever FMF, sem contar que a autora é super simpática. Tenho muita curiosidade em ler essa série, porém ainda não tive oportunidade, espero ter em breve.

    Beijos&beijos
    Book is life

    ResponderExcluir
  4. Imagino a tua alegria ao entrevistar a Paula. Sempre que vejo algo sobre FMF lembro logo de ti >_< Ainda não consegui ler nenhum volume (o preço desanima... =/) mas pretendo! rs

    ResponderExcluir

• Escreva um comentário e deixe uma blogueira muito feliz!

 
Minima Color Base por Layous Ceu Azul editado por Anderson Vidal