15 de nov de 2013

Esconda-se - Lisa Gardner

Editora: Novo Conceito
Páginas: 400
Resenhado por: Ana Paula da Cruz

Uma mulher que foi obrigada a fugir — desde criança— de uma possível ameaça. Uma ameaça que seu pai via em todo lugar, mas que a polícia nunca considerou. Um antigo e desativado sanatório para doentes mentais que pode ter muito mais a esconder entre suas paredes do que homens e mulheres entorpecidos por remédios. Uma história de rancor entre membros de uma mesma família que nunca conseguiram superar os episódios de violência doméstica que presenciaram. Um pingente que foi parar em mãos erradas — e a cena de um crime brutal: seis meninas mortas e mumificadas há mais de trinta anos. Agora, cabe à famosa detetive D.D. Warren descobrir quem foi o serial killer que cometeu esta atrocidade e que motivação infame deformou sua mente. Acompanhe D.D. Warren na solução de mais este complexo caso e encontre o inimaginável que está por trás de pessoas aparentemente comuns! 


Lisa Gardner, novamente e indiscutivelmente, é uma autora que simplesmente me ganhou por completo. Seja pela história, pela sua escrita, pela descrição minuciosa de fatos e acontecimentos, personagens bens construídos... Enfim, depois de Esconda-se virei ainda mais fã.

Neste livro conhecemos a história de Annabelle, uma jovem que tem a vida bem estruturada no momento, porém nunca deixou de viver de acordo com os princípios de segurança e com o medo que seu pai lhe passou. No início apenas sabemos que o pai de Annabelle era paranóico com a segurança da família, fazendo, com isso, que de tempos em tempos essa “loucura” obrigasse a família a se mudar. Não compreendemos muito bem os motivos que o levam a fazer isso, até que um dia são encontradas seis meninas enterradas em uma cova no terreno de um antigo sanatório da cidade, e aí passamos a perceber que, talvez, isso tudo tenha a ver com a vida de nossa protagonista assustada.

Paralelamente, temos a maravilhosa D.D Warren sendo designada para mais esse caso difícil e cheio de nuances e surpresas, que é este da cova no sanatório. Como sargento responsável pela resolução do caso, D.D Warren acaba entrando na vida de Annabelle, assim como o detetive Bobby Dodge, para que consigam encontrar quem fez tamanha atrocidade e, quem sabe, desvendar os motivos de Annabelle ter passado sua vida inteira fugindo de um fantasma assustador que ela não sabe quem é, nem se ele é real. 

Já que Annabelle parece ser o ponto-chave de todo esse acontecimento, sendo que seu nome apareceu junto de uma das vítimas na forma de um pingente, e que depois descobrimos que é a sua amiga de infância que desapareceu há 25 anos, os três acabam envolvidos em uma busca. A protagonista na busca por explicações de seu passado, os policiais pelo monstro que fez isso com as seis meninas. E, quem sabe se os três, Annabelle, Bobby e D.D. Warren, não procuram pela mesma pessoa?

Logo no início da leitura já ficamos presos pelas especulações adversas que rondam esse crime e por tamanha crueldade. A autora consegue, durante a nossa leitura, ir jogando inúmeras linhas de raciocínio que vão surgindo ao longo da investigação, e com descrições e explicações maravilhosas e contundentes faz a nossa busca pela resposta ficar ainda mais afoita, pois nos sentimos como um dos detetives. Fato este que, juntamente com o ritmo frenético da escrita e de acontecimentos que modificam a investigação a cada nova pista descoberta, faz com que livro seja devorado em uma sentada, mesmo com quase 400 páginas. 

A narrativa do livro é separada entre a Annabelle, D.D Warren e o detetive Bobby, as três visões contadas em terceira pessoa. Senti um pouco a falta de D.D Warren, ela aparecia apenas nos momentos de investigação propriamente ditos, enquanto o detetive Bobby e a Annabelle ganharam um pouco mais de espaço. Ao mesmo tempo em que as coisas no presente vão sendo desvendados, fatos do passado dos protagonistas também vão surgindo, e aos poucos os pontos vão se linkando, cada capítulo tem uma nova descoberta brilhante.

Como tinha muita coisa acontecendo, muitos suspeitos, muitas pistas que distorciam da realidade, enfim... não consegui desvendar o caso até o momento em que a resolução foi jogada na história... E, nossa, foi realmente surpreendente. Eu tinha muitas linhas de investigação formadas na minha cabeça (acho que ando lendo muito thriller. HEHE), e não foi nada do que eu tava pensando! 

Como disse na outra resenha de Lisa Gardner, acho que o rei Harlan Coben ganhou uma rainha do gênero suspense à altura.

“Estou com 32 anos hoje. E, na maior parte do tempo, preciso pensar que meu pai era louco.”

12 comentários:

  1. Adoro livros investigativos com um pouquinho de suspense. Gosto quando a historia é narrada por mais de um personagem acho que assim fica muito mais dinamico.
    Pretendo le lo, eu quero os outros livros da autora, pois acredito que vou amar, beijos.

    ResponderExcluir
  2. Tenho Sangue na Neve e Viva para Contar e amo! São histórias que prendem do início ao fim... Lisa Gardner já virou uma das minhas autoras favoritas. Só fico chateada pela Novo Conceito publicar uma série fora de ordem e isso é um mal que assola as editoras brasileiras.

    ResponderExcluir
  3. Ainda não li nada dessa autora que está super aclamada, mas pela resenha fiquei com muita vontade. Adoro romance policial que tentamos desvendar todos os mistérios com as pistas dadas aos poucos.

    ResponderExcluir
  4. Lisa Gardner a cada novo livro nos surpreende e estou ansiosa para ter Esconda-se e viver esses momentos de suspense, tristezas e muito suspense. Pena que a Detetive Warren não aparece muito nesta história, mas mesmo assim acredito que o final foi de tirar o chapéu.

    ResponderExcluir
  5. Ainda não li livros desse genero, mas a história parece bem interessante

    ResponderExcluir
  6. Esse livro parece muito interessante, fiquei com muita vontade de ler!

    ResponderExcluir
  7. A Lisa Gardner realmente merece entrar para o seleto grupo de autores gênios do gênero policial. Ela sabe muito bem conduzir suas tramas com todas as características que um bom suspense policial pede. Sua narrativa é primorosa e muito bem encaixadinha. Descreve sem faltas, nem exageros. Merece todos os aplausos. E pra finalizar, quero muito ler esse livro também.

    @_Dom_Dom

    ResponderExcluir
  8. Adorooo romance policial e já quero ler todos os livros da autora! A narrativa parece ser fluída, consistente e inteligente, a autora amarra aos poucos todas as pontas de forma perspicaz. A história já começa arrepiante. Acredito que esse é um livro que nos provoca a todo momento. Fortemente psicológico! Livro cheio de surpresas e reviravoltas!
    Ótima resenha Andresa
    Bjus

    ResponderExcluir
  9. A história parece realmente boa. Eu acho que nunca li um livro policial, não que eu me lembre. O fato é me pareceu interessante, ainda mas acabar investigando junto e ser surpreendido no final.

    ResponderExcluir
  10. Adoro histórias assim, suspense e emoção no mesmo livro!!! Já estou louca para lê-lo.

    ResponderExcluir
  11. Nossa, imagina como de ver lutar com o seu passado misterioso. Me lembrou aqueles filmes que te prendem do começo ao fim, imagina em livro a loucura que deve ser *_* adorei, louca para ler e descobrir o mistério da vida e o pai de Annabelle :D

    ResponderExcluir
  12. Adorei, especialmente com a narrativa intercalada entre 3 personagens, dando uma ampla visão dos fatos de acordo com o olhar de cada um. É o tipo de livro que me deixa presa e tensa até o final. Adoro o desafio de descobrir pelo menos parte da trama, com as pistas dadas, antes do final.

    ResponderExcluir

• Escreva um comentário e deixe uma blogueira muito feliz!

 
Minima Color Base por Layous Ceu Azul editado por Anderson Vidal