24 de jun de 2014

Quem sabe um dia - Lauren Graham

Editora: Record
Páginas: 368

Franny Banks é uma atriz lutando em Nova York, com apenas seis meses para o prazo de três anos que deu a si mesma para ser bem sucedida. Mas até agora, tudo o que ela tem para mostrar por seus esforços é uma única linha em um anúncio de camisolas feias de Natal e um emprego de garçonete degradante. Ela vive no Brooklyn, com duas companheiras de quarto, Jane - sua melhor amiga de faculdade, e Dan, um escritor de ficção-científica, que é muito, definitivamente não namorável. E está lutando por seus sentimentos por um cara suspeitamente charmoso de sua aula de atuação, tudo isso enquanto tenta encontrar um shampoo para seus cabelos que realmente funcione. Enquanto isso, ela sonha em fazer um trabalho "importante", mas parece que ela só consegue audições para propagandas de detergente líquido e comerciais de manteiga de amendoim. É díficil dizer o que vai acontecer primeiro: ela vai ficar sem tempo ou sem dinheiro, mas de qualquer forma, o fracasso significaria enfrentar o fato de que ela não tem absolutamente nenhum habilidade para sobreviver no mundo real. Seu pai quer que ela volte para casa e vire professora, seu agente não vai chamá-la de volta, e sua colega de aulas, Penelope, que parece incentivadora, pode só tornar a competição ainda mais difícil. Quem Sabe Um Dia é uma estreia engraçada e encantadora sobre encontrar a si mesmo, um amor e o mais difícil de tudo, encontrar um trabalho como atriz.


Eu estava muito empolgada com este livro, tanto pela capa lindíssima quanto por ser escrito por uma atriz que eu gosto. Infelizmente aconteceu o mesmo com o livro da Hilary Duff, pensei que seria demais e acabei não curtindo muito... Bem, vou explicar!

O livro conta a história de Frances Banks, uma garota que se arrisca em Nova York para realizar o sonho de se tornar atriz. Ela colocou uma meta de 3 anos para sua vida deslanchar na cidade, mas já se passaram 2 anos e o máximo que conseguiu foi um emprego como garçonete e poucos testes para fazer. 

Franny é um mulher de vinte e tantos anos, insegura e bastante complicada. Por mais que esteja se esforçando para alcançar seus objetivos na Big Apple, ela mesma não acredita que é boa o suficiente. Acho que, por conta dessa personalidade meio paradona, não consegui me conectar muito com a personagem.

A diagramação e preparação do livro esta fantástica. Amei cada detalhezinho que a editora colocou. Algumas páginas possuem uma ilustração diferenciada, que torna a leitura mais dinâmica, além de ter deixado o livro super lindo!

Como eu disse, infelizmente achei o livro muito fraco. A narrativa não me conquistou, o enredo não tinha nada empolgante e os personagens também não possuíam nada diferente. Acabei demorando muito tempo com o livro e fiquei bem triste por não ter aproveitado um livro que estava tão ansiosa para ler.

Para aqueles que querem uma leitura despretensiosa e apenas para passar o tempo... Ou quem sabe, se você gosta de teatro e cinema hollywoodiano, pode se divertir com o livro e aprender algumas coisas, já que a autora é especialista no assunto! E, quem sabe um dia, acabo dando uma segunda chance para a leitura, rs.

"Serei mais cuidadosa de agora em diante, prometo a mim mesma. Afinal, sei melhor que ninguém o que pode acontecer quando, por acidente, se entra na contramão numa rua de mão única."

2 comentários:

  1. Eu vi que não nasci pra esse tipo de romance, sabe? Nunca gosto dos que leio. Essa capa é lindíssima, realmente. Acho que poderia ser aproveitada melhor, haha!

    Clara
    @clarabsantos
    clarabeatrizsantos.blogspot.com

    ResponderExcluir
  2. Eu não li, mas fiquei interessada. Eu também quero ser atriz. Então, pode ser que role.

    The Lord of Thrones

    ResponderExcluir

• Escreva um comentário e deixe uma blogueira muito feliz!

 
Minima Color Base por Layous Ceu Azul editado por Anderson Vidal